Sábado, 14 de Janeiro de 2006

Projecto chumbado

Foi ontem chumbado um projecto que procurava aproveitar a nossa mão-de-obra disponível bem como os equipamentos. Tratava-se de diminuir o número de alunos por turma ou sala.
Quais as vossas opiniões?
António Ramos


imagem de uma sala de aula da época Vitoriana


Segundo se lê no jornal Público, o Parlamento chumbou hoje (12.01.2006) o projecto-lei apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE) a propor a redução do número de alunos por turma no ensino básico e secundário.
Duas questões se colocam:
- as ideologias de um partido político mudam conforme são oposição ou governo?
- a educação é, ou não, um factor fundamental da nossa sociedade?
Não me vou pronunciar sobre a primeira questão, parece-me estar respondida por natureza.
Quanto à segunda, parece-me que os nossos governos apenas se preocupam com números e esquecem que dentro de uma sala de aulas estão pessoas: crianças, adolescentes e professores.
Importa poupar dinheiro, importa que os níveis de retenção sejam baixos, importa manter os alunos dentro da escola.
Não importa desenvolver as competências fundamentais do ensino.

publicado por serprofessor às 10:58
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Anónimo a 15 de Fevereiro de 2006 às 11:56
Para a para-ditadura socialista professor é escravo tem que ter 30 alunos por turam e depois seveem as bestas que vão aos concursos de tv que nem a tabuada sabem ou as belas notas que têm nos exames.
Bestas iguais ao governo da para-dtitadura ou ao fantoche Sampaiotron
(http://reporter007.blogs.sapo.pt)
(mailto:tron2@sapo.pt)
De Anónimo a 6 de Fevereiro de 2006 às 19:52
É preciso, urgentemente, apostar tudo nos prejectos de educação, ou então, continuaremos a ser os últimos.Augusto Azevedo
(http://não tenho)
(mailto:augusto_azevedo@tvtel.pt)
De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 23:20
Acabo de descobrir o vosso blog e adorei! Sou professora do 1º Ciclo e acho que o problema da educação no nosso país é não ter ainda aparecido um ministro que tenha estado no terreno; ou seja, que tenha sido professor e que conheça as nossas dificuldades e a realidade dos dias de hoje. É preciso haver um 25 de Abril na Educação!Ângela
(http://madurinho.blogs.sapo.pt/)
(mailto:gajinha@netvisao.pt)
De Anónimo a 16 de Janeiro de 2006 às 22:53
Eu penso que o dinheiro é muito mal gerido, mas creio que é opinião consensual. Efectivamente, na maioria das escolas não há dinheiro para quase nada, mas esse é um mal geral. Lembro-me de, há algum tempo atrás, ter ido a uma repartição de finanças entregar os impressos para o IRS; andavam eles aflitos atrás de agrafadores porque não havia dinheiro para comprar agrafos! É ridículo chegar a um ponto destes... mas é real! No entanto, nunca houve falta de dinheiro para pagar comissões disto e daquilo... entre outras coisas!Ser Professor
</a>
(mailto:ser.professor@gmail.com)
De Anónimo a 16 de Janeiro de 2006 às 21:11
É imperativo poupar dinheiro, como tal as turmas pequenas devem dar lugar a turmas tendencialmente maiores. Poupa-se nos salários dos professores, na luz, no giz, etc etc. E poupa-se para depois existir dinheiro para se criarem comissões cujo objectivo é descobrir o porque dos maus resultados das escolas. Resta dizer que cada comissão de avaliação deve ganhar uns cobres valentes...Rui Silva
</a>
(mailto:ruimpsilva@gmail.com)
De Anónimo a 15 de Janeiro de 2006 às 19:52
Embora haja pedagogos que defendem que as turmas grandes é que são boas, eu não concordo. Da maneira que o ensino hoje em dia é individualizado é impossível trabalhar bem com turmas grandes. A não ser que se faça como no meu tempo de escola: "burros" a um canto e trabalha-se só com quem "dá"!
Infelizmente parece que o governo pensa assim... Para mim mais de 20 é gente a mais.saltapocinhas
(http://fabulas1.blogspot.com)
(mailto:mapsl@sapo.pt)
De Anónimo a 14 de Janeiro de 2006 às 11:11
Enquanto no país não se perceber de uma vez por todas, que a Educação tem de ter um rumo, um caminho a ser percorrido e que não pode ser alterado de cada vez que se muda de Governo, tudo não deixará de ser um jogo político, num barco sem destino. Ninguém sabe onde temos de chegar, nem de onde vamos partir... e isso traduz-se na banalidade com que as questões da Educação são sempre tratadas.
Quanto à redução de alunos por turma, era bom. Muito bom mesmo! Até para que se possa fazer um trabalho individual com cada aluno e se possa constribuir para que cada um dê o melhor de si e descubra todas as suas potencialidades, com tudo o que isso acrescenta de trabalho ao professor e sobretudo de responsabilidade. Enfim...Só na Educação! Só em Portugal!MoonLight
</a>
(mailto:moonlight@sapo.pt)

Comentar post