Segunda-feira, 31 de Outubro de 2005

Horas e mais horas

Parece-me ser um dos temas que mais se conversam entre professores, nos últimos tempos. "Na tua escola, como é? Como gerem as horas da componente não lectiva? Quantas horas marcam?" são as perguntas que não falham.
A disparidade é enorme, por aquilo que me apercebo. Conheço escolas onde se marcam 22 horas no total... e outras onde se marcam 30! A decisão compete a cada Conselho Executivo, daí tanta diferença.
E com que actividades se ocupam estas horas?
Para além das aulas de substituição (eu sei que não é este o nome... mas é o que elas são!) obrigatórias, temos ainda apoios específicos (nas horas supervenientes, aquelas que apareceram quando deixámos de ter aulas de 50 minutos e passámos a tê-las de 45), clubes, salas de estudo, apoio às bibliotecas escolares, planificações e outras actividades sugeridas pelos docentes.
Várias escolas aproveitaram para aumentar o número de horas dos directores de turma, que bem necessitavam delas.

Será que estas horas todas beneficiam os alunos, de alguma forma?
Nas vossas escolas, como funciona tudo isto?

Partilhem connosco a vossa experiência, creio que todos temos curiosidade em saber o que se passa noutras realidades.

publicado por serprofessor às 23:38
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 2 de Novembro de 2005 às 22:15
Para não falar em casos de persiguição política como na útltima escola onde eu estudei onde quem era fora da area esquerda (BE ou PS) era marginalizado ou mesmo prejudicado nas admissões e/ou horas lectivas e a escola era a secundaria dos anjos essa persiguição tanto era contra alunos como contra professorestron
(http://reporter007.blogs.sapo.pt)
(mailto:tron2@sapo.pt)
De Anónimo a 2 de Novembro de 2005 às 20:35
E a família que (des)espere em casa!Ser Professor
</a>
(mailto:ser.professor@gmail.com)
De Anónimo a 1 de Novembro de 2005 às 12:33
Na minha escola há uma panóplia enorme de actividades que os alunos quase não têm capacidade para responder a tanta oferta. Todos os professores têm aulas de substituição ou então atribuições trabalhosas, que levam mais tempo a programar do que a carga não lectiva atribuída. As reuniões moderaram-nas, mas mesmo assim começam sempre depois das seis e obrigam os docentes a permanecer na escola até às oito da noite, com horas mortas pelo meio!

Lib
</a>
(mailto:anaisabelfale@sapo.pt)

Comentar post