Sexta-feira, 25 de Novembro de 2005

Estatísticas

Encontrei, na página do GIASE, o seguinte título:
Número de Alunos por Professor no Ensino Básico Público - 8,9.
Abri o link e deparei-me com um quadro que contém os seguintes dados:

Continente
Relação Alunos/Professor
Educação Pré-Escolar 14,8
Ensino Básico - Total 8,9
1.º Ciclo 12,4
2.º Ciclo 7,0
3.º Ciclo 7,6
Ensino Secundário 8,1

Se eu não estivesse numa escola, certamente ficaria a pensar que os professores (afinal!) têm muito poucos alunos, já que não há qualquer explicação junto desta tabela.
Imagino que estes cálculos tenham sido feitos utilizando o número total de professores no ensino e o número total de alunos inscritos. É uma forma de dar à estatística o aspecto que mais interessa e não o mais correcto.
Qualquer pessoa que pense um pouco, sabe que nenhuma turma tem tão poucos alunos e sabe, também, que os professores não costumam ter só uma turma.
Como exemplo, eu tenho 145 alunos este ano lectivo. Parece-me estar um pouco longe destes resultados.

Qual será a vantagem de brincar com os números de uma forma tão errada?

publicado por serprofessor às 09:19
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 27 de Novembro de 2005 às 14:11
Faneca, fizeste muito bem em comentar. Lembra-te que sem alunos não há professores.
Tocaste num tema que acho fundamental: a falta de valor que a nossa sociedade dá à Educação. Não só à Escola enquanto instituição, mas à falta de interesse geral em "adquirir conhecimento", como tu dizes.Ser Professor
</a>
(mailto:ser.professor@gmail.com)
De Anónimo a 27 de Novembro de 2005 às 13:29
Esse (des)governo da para-ditadura socialista paranoico com os números tudo se espera que corta onde não deve e agora se vai consolar a remover os crucifixos das escolastron
(http://reporter007.blogs.sapo.pt)
(mailto:tron2@sapo.pt)
De Anónimo a 27 de Novembro de 2005 às 13:26
Não tenho, infelizmente, tempo para ler todo o blog, de facto nem deveria estar aqui a escrever, não resisti, contudo.
Como estudante que talvez venha a seguir, concluídos os meus estudos universitários,a via de ensino, aterroriza-me a ideia de educar uma criança para as ideias e para a realidade vigorante: a da mediocridade.
Como estudante vejo-me forçada a concordar com a declaração de um professor meu:falta à escola o sentido épico.
Falta, obviamente. Somos medíocres porque não somos educados para outra coisa que não seja a cultura do não-comprometimento: marrar para um teste e deitar fora.
Não há uma vocação para o gosto de saber. Gostar de adquirir conhecimento. Não há.
Muito Infelizmente.
E a coisa tende a banailzar-se cada vez mais. E como se pode pôr a culpa num professor? Como pode uma pessoa desempenhar uma função por gosto se vive com a faca ao pescoço (muitas vezes literalmente), a pensar qual será a próxima escola em que dará aulas, como estará o filho ou a esposa ou o marido que deixou a kms de distância para ir ganhar um salário, não pelo gosto, porque uma pessoa que é despojada da sua realidade dificilmente desempenha a sua função por gosto. Há excepções, claro. Mas são poucas.
E pior que isto tudo, como se compromete um professor com as suas turmas tendo em mente todas estas condicionantes?
Há dias em que não sei se é de mim...mas penso que as causas de toda a nossa decadência estão no ensino...
Já agora pedia que divulgasse esta petição, se estiver interessado/a, parece-me uma causa de todos nós, professores e alunos

www.petitiononline.com/mercurioFaneca
(http://fanecafredrica.blogs.sapo.pt)
(mailto:carthadasht@hotmail.com)

Comentar post