Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2005

Feriado, sim... mas de quê?

Hoje é feriado e, como de costume, as nossas televisões fazem, pelas ruas, a pergunta inevitável: "Sabe o que se comemora hoje?"
As respostas surpreendem-nos. Como é possível um País inteiro parar todos os anos no mesmo dia e um grande número dos seus habitantes não ter a noção do motivo?
Todos passaram pela escola, todos tiveram aulas de História. Todos aprenderam os motivos. Que se esqueçam os detalhes, aceita-se. Mas o essencial? Não se admite, penso eu.
Tenho a certeza de que se a pergunta fosse sobre um jogador de futebol ou um qualquer grupo musical conhecido, não faltariam detalhes. Não é, portanto, uma questão de capacidade de memorização dos factos. É uma questão de não querer saber, de não dar valor às nossas origens.

publicado por serprofessor às 20:41
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 6 de Dezembro de 2005 às 01:06
Temos de considerar duas hipóteses: nós, Portugueses, estarmos melhor, ou eles, Espanhóis, estarem pior. Eu acredito mais na segunda hipótese.Rui Silva
</a>
(mailto:ruimpsilva@gmail.com)
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2005 às 23:08
Curiosamente, Rui Silva, recebi um mail com um comentário muito parecido. Será que estaríamos melhor se fôssemos espanhóis?Ser Professor
</a>
(mailto:ser.professor@gmail.com)
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2005 às 00:53
Eu até gosto muito de ser Português, mas neste caso, possivelmente estavamos todos melhor caso a restauração da independência não tivesse acontecido. Era tudo Espanhol e pronto. Talvez dai o dia não tenha grande significado para a maioria das pessoas. Rui Silva
</a>
(mailto:ruimpsilva@gmail.com)
De Anónimo a 2 de Dezembro de 2005 às 18:24
Tenho acompanhado este blog com muita atenção e merece bastante credibilidade pelo que expõe.
Acredito que a maioria dos cidadãos deste país estejam, de todo, distraídos.
Mas para quê tantos feriados?
Afinal, em função da história e dos tempos actuais, porque dar tanto valor a mais um dia, em que não se produz, a riqueza que tanta falta faz a este país.
Não acredito, de todo, na santa ignorância dos portugueses; acredito sim no alheamento à aquisição de conhecimento. Mas isso são os frutos de uma má política de educação - por ela respondem os sucessivos governos desde o 25 de Abril.
Que existem bons professores e sempre muito atentos, existem: apenas são ignorados e atirados para as últimas filas.Augusto Azevedo
(http://não tenho)
(mailto:augusto_azevedo@tvtel.pt)

Comentar post